sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Maturidade

Matur
idade

A idade traz experiência.
É verdade.
Traz também “experiências” que se incorporam ao nosso inconsciente como pequeninos softwares. Surgida uma situação similar àquela que já vivenciamos, o programa tem início.
Lembramos dos momentos bons que vivenciamos como se estivéssemos revivendo os momentos passados.
Chegamos a ouvir sons, sentir gostos e cheiros.

O problema é que esses pequenos softwares não trazem apenas coisas boas. Trazem também momentos tristes e lembranças ruins. Não é possível desligá-los.
Nem mesmo sabemos com exatidão o que os faz funcionar. Pode ser um cheiro, uma música, um lugar, uma pessoa, um gesto, um sorriso, uma paisagem ou um quadro.
Normalmente, são coisas que não ocasionam perigo, mas por alguma razão servem de detonadores de bombas emocionais que arrasam o nosso coração.

Trazem para o presente a tristeza, a angústia e o medo sentidos no passado.
Voltam com força total e de maneira irracional acabam por motivar as nossas ações.
É o passado comandando o presente e condicionando o futuro.

Infelizmente, não somos computadores. Não é possível formatar o HD e implantar novamente todo o sistema operacional. Temos de aprender a conviver com esses programinhas mal-intencionados e procurar utilizá-los a nosso favor.
As lembranças tristes e ruins servem de alerta para não repetirmos os erros passados. Apenas precisamos retirar o automatismo que esses softwares implantam em nossas condutas.
Precisamos temperar a força do sentimento com o poder da razão e utilizar ambos para fazer as nossas escolhas.

Essa é a grande mágica de envelhecer. Lentamente, passamos a aprender a usar a informática da vida.
Passamos a identificar os softwares que iniciam automaticamente e instalamos outro programa. Ele não apaga os demais. Apenas impede que comandem automaticamente nossas ações.
Eles passam a piscar na tela do “nosso computador” alertando para situações potenciais de perigo.
O novo software passa a exigir um comando do operador para que os demais entrem em funcionamento.

Infelizmente, ele não se encontra nas prateleiras para ser comprado e tem um fornecedor exclusivo: o tempo.

Ele se chama maturidade.

marcelo@hargeradvogados.com.br

MARCELO HARGER | Advogado
Fonte:
http://www.clicrbs.com.br/anoticia/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&source=a2701428.xml&template=4187.dwt&edition=13424§ion=941

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Festa de Final de Ano dos Saleisanos e Joinville - 12/12/2009

Senhores Exalunos:



Conforme reunião da UEDB – Jlle, no dia 30/09/09 – próximo passado, ficou determinado que: Os exalunos participarão na vinda da urna de D. Bosco – Jlle

Confeccionando um banner, e o convite e ofícios para às autoridades. Isto para 20/11/09 com chegada de D. Bosco a Jlle – Paróquia Sto. Antonio (9h às 24h).


- Para os alunos do Centro Educacional D. Bosco – Jlle, os exalunos de DB estarão:

Oferecendo um almoço festivo: (galeto, salada, refri – sobremesa, arroz, maionese, farofa )...
Doação de brindes para cada aluno
Uma banda de show para abrilhantar a festa; bem como, participando da liturgia (missa) animada pelos ex alunos.


Para tanto contamos com a generosidade de cada um de nosso exaluno.


Hoje estamos convocando a todos os exalunos para uma nova reunião;


Local – Paróquia S.A

Horário – 19h30m.

Dia – 28/10/09


Finalidade revermos nosso compromisso para com o CEDB – freqüentado por crianças, adolescentes e jovens carentes.


Obs.: Nossa festa de final de ano, deverá acontecer em:


Data - 12/12/09


Local – Indefinido ainda


Um abraço – Brasilino Catarino

Para União – Jlle.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Blog Salesiano - Joinville - Dom Bosco





Hoje, dia 20 de outubro de 2009, terça-feira, o Presidente da União dos Ex-alunos Salesianos de Joinville entrou em contacto pessoal comigo,
em minha residência, em Joinville e perguntou sobre os dizeres do convite e sobre o banner que será feito para ser exposto em todas nossas reuniões de ex-alunos a partir desta data, consoante decisão em reunião do dia 2 de outubro na Igreja Santo Antônio, em Joinville.

Mostramos para ele, no computador, que logo no dia 3 de outubro mandamos um e-mail para todos participantes e para o Pe Gilson e publicamos no blog.

Na mesma hora, telefonamos para o Sr. Ernani, empresário da empresa http://bannerexpress.blogspot.com/ e ele nos informou que estava nos detalhes finais da elaboração gráfica e editoração do banner.

Com o presidente Brasilino, tomamos um vinho e após sua saída, o empresário Ernani veio até a minha casa e mostrou uma cópia em papel do banner e pedi a ele que mandasse em boa resolução por e-mail que iria remeter a todos ex-alunos salesianos e em especial para o Brasilino para a aprovação final.

Esta a idéia do banner:




...
E
-mail do Ernani:
Bannerexpress

================
Banner Express Etiquetas Adesivas para mim
mostrar detalhes 22:40 (0 minutos atrás)


Boa noite Laércio.

Clique no link abaixo para baixar a imagem de Dom Bosco:
http://associacaodombosco.files.wordpress.com/2007/10/dbosco.jpg

Em anexo segue layout do banner de 0,80x1,20 mt.

Valor Unitário: R$ 65,00
C/desconto R$ 62,00 a unidade.

Editoração: Gratuita.

Lona de 300 gr., impressão em alta resolução, tinta com tecnologia japonesa de alta durabilidade
e resistencia a sol e chuva. Acompanha varão de PVC e cordinha montado.

Atenciosamente,

Carlos ERNANI - Vendas
Visite nosso site: http://bannerexpress.blogspot.com/
Contato: (47) 9914-3432 ou rec. (47) 3025-5373
Joinville - SC, BRASIL.

.....
Consoante a consversaq em Ascurra, com o Pe. Décio, outras uniões de ex-alunos poderiam fazer o mesmo banner, com a indicação do nome de sua cidade, onde se lê JOINVILLE.

domingo, 18 de outubro de 2009

Os Homens. by Vinícius de Morais



Repassando...

HOMENS, SEGUNDO VINÍCIUS DE MORAIS


Os Homens.

Os homens bons, são feios.

Os homens bonitos, não são bons.

Os homens bonitos e bons, são gays.

Os homens bonitos, bons e heterossexuais, estão casados.

Os homens que não são bonitos, mas são bons, não têm dinheiro.

Os homens que não são bonitos, mas que são bons e com dinheiro, pensam que só estamos atrás de seu dinheiro.

Os homens bonitos, que não são bons e são heterossexuais, não acham que somos suficientemente bonitas.

Os homens que nos acham bonitas, que são heterossexuais, bons e têm dinheiro,
são covardes.

Os homens que são bonitos, bons, têm dinheiro e graças a Deus são heterossexuais, são tímidos e NUNCA DÃO O

PRIMEIRO PASSO!

Os homens que nunca dão o primeiro passo, automaticamente perdem o interesse em nós quando tomamos a iniciativa.

AGORA...

QUEM NESSE MUNDO ENTENDE OS HOMENS?


Moral da História:


" Homens são como um bom vinho. Todos começam como uvas, e

é dever da mulher pisoteá-los e mantê-los no escuro até

que amadureçam e se tornem uma boa companhia pro jantar "


ENVIE ISTO PARA:

MULHERES INTELIGENTES QUE PRECISEM DAR UMAS RISADAS...

E PARA HOMENS CAPAZES DE LIDAR COM ISSO!


'Mulheres existem para serem amadas, não para serem
entendidas.'

Vinicius de Morais

=====
Vinicius de Moraes
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Vinicius de Moraes

Informação geral
Nome completo Marcus Vinicius da Cruz de Melo Moraes
Apelido Poetinha
Data de nascimento 19 de outubro de 1913
Origem Rio de Janeiro, RJ
País Brasil
Data de morte 9 de julho de 1980 (66 anos)
Rio de Janeiro
Gêneros MPB, bossa nova, samba
Afiliações Carlos Lyra, Tom Jobim, Toquinho
Vinicius de Moraes [1][2] (Rio de Janeiro, 19 de outubro de 1913 — Rio de Janeiro, 9 de julho de 1980) foi um diplomata, dramaturgo, jornalista, poeta e compositor brasileiro.

Poeta essencialmente lírico, o poetinha (como ficou conhecido) notabilizou-se pelos seus sonetos. Conhecido como um boêmio inveterado, fumante e apreciador do uísque, era também conhecido por ser um grande conquistador. O poetinha casou-se por nove vezes ao longo de sua vida.

Sua obra é vasta, passando pela literatura, teatro, cinema e música. No campo musical, o poetinha teve como principais parceiros Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell e Carlos Lyra.

sábado, 17 de outubro de 2009

MATRIZ MENTAL é a fonte de recursos intraconscienciais




Enciclopédia da Conscienciologia
8
MATRIZ MENTAL
(MEGAFOCOLOGIA)
I. Conformática
Definologia. A matriz mental é a estrutura, o embasamento e a fonte de recursos intraconscienciais
das reações do microuniverso da consciência ante os desafios evolutivos, de cada
momento, do Cosmos.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O vocábulo matriz vem do idioma Latim, matrix, “fêmea que está criando
os filhos, que amamenta; galinha parideira; árvore que deita rebentos; mãe; tronco; origem; útero;
ventre; registro público; metrópole”. Apareceu no Século XV. O termo mental procede do idioma
Latim Tardio, mentalis, “do espírito; mental”, e este de mens, mentis, “atividade do espírito; intenção;
pensamento; inteligência”. Surgiu no mesmo Século XV.
Sinonimologia: 1. Matriz consciencial. 2. Matriz egoica. 3. Matriz pensênica.
Neologia. As 4 expressões compostas matriz mental, matriz mental somática, matriz
mental psicossomática e matriz mental mentalsomática são neologismos técnicos da Megafocologia.
Antonimologia: 1. Consciência desorganizada. 2. Leniência autevolutiva.
Estrangeirismologia: o upgrade evolutivo.
Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à holomaturidade intraconsciencial.
Megapensenologia. Eis 1 megapensene trivocabular sintetizando o tema: – Materpensene:
matriz pensênica.
II. Fatuística
Pensenologia: o holopensene pessoal da holomaturidade evolutiva; os evoluciopensenes;
a evoluciopensenidade; os lucidopensenes; a lucidopensenidade; os nexopensenes; a nexopensenidade;
os ortopensenes; a ortopensenidade; os prioropensenes; a prioropensenidade; os retropensenes
fixados; o materpensene sendo a matriz da autopensenidade; as recins transformadoras
da matriz pensênica; a linearidade da autopensenização; a matriz da autopensenização; o centro
dinâmico da autopensenidade; o materpensene pessoal predominante.
Fatologia: a matriz mental; a base da atitude mental; a forma de apreender do mundo;
a maneira de elaborar mentalmente as vivências; o modo pessoal de reagir à realidade; a constituição
da matriza mental; a base idiomática; o somatório das autovivências; os traumas fixados;
os mecanismos de defesa do ego; os comportamentos condicionados; a bagagem cognitiva; a matriz
mental autoritária; a matriz mental cartesiana; a matriz mental de referência; a matriz mental
religiosa; as tendências da pessoa; as mudanças para melhor da matriz mental pessoal; o neoparadigma
consciencial; as conquistas evolutivas fundamentais; a ortocentralidade; a coerência pessoal;
o norteamento da consciência; a tares como sendo o instrumento de renovação da matriz
mental; a teática conscienciológica exigindo a reestruturação da matriz mental pessoal; os atos
mentaissomáticos; o equilíbrio mental; a protimia; a saúde mental.
Parafatologia: a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a sinalética energética
e parapsíquica pessoal; o somatório das paravivências; a bagagem retrocognitiva; a conclusão
do Curso Intermissivo (CI) como ponto inicial da construção da matriz mental pró-evolução.
Enciclopédia da Conscienciologia

9
III. Detalhismo
Sinergismologia: o sinergismo evolutivo recéxis-recin; o sinergismo cérebro-paracérebro
(matriz).
Principiologia: o princípio da descrença; o princípio da série de vidas humanas sucessivas.
Codigologia: o código pessoal de Cosmoética (CPC).
Teoriologia: as teorias conscienciológicas.
Tecnologia: as técnicas conscienciométricas; a técnica da Impactoterapia; as técnicas
da reeducação.
Voluntariologia: as reciclagens propiciadas pelo voluntariado conscienciológico.
Laboratoriologia: o laboratório conscienciológico da Pensenologia.
Colegiologia: o Colégio Invisível da Mentalsomatologia; o Colégio Invisível dos Conscienciólogos.
Efeitologia: o efeito das matrizes mentais na autexpressão; os efeitos das ponderações
autorreflexivas na evolução consciencial.
Neossinapsologia: as neossinapses reestruturantes das matrizes mentais.
Ciclologia: o ciclo megatrafor-materpensene.
Binomiologia: o binômio matriz mental–matriz cultural; o binômio Imagística-Imagética;
o binômio geopolítico bússola-âncora.
Crescendologia: o crescendo evolutivo matriz mental automimética–matriz mental pró-
-evolução; o crescendo pacificação íntima–Autodeterminologia correta.
Trinomiologia: o trinômio vontade-intencionalidade-autodisciplina; o trinômio megaatributo-
megatrafor-materpensene; o trinômio passado-presente-futuro.
Polinomiologia: o polinômio investigar-auscultar-compreender-assistir.
Antagonismologia: o antagonismo cálculo / impulso; o antagonismo conscin focada /
conscin sem megafoco; o antagonismo pessoa antenada / pessoa confusionista; o antagonismo
matriz mental fixada ou apriorística / matriz mental flexível em atualização permanente.
Politicologia: a democracia.
Legislogia: a lei do maior esforço evolutivo.
Filiologia: a neofilia; a criteriofilia; a evoluciofilia; a assistenciofilia; a parapsicofilia;
a cogniciofilia; a sociofilia.
Fobiologia: a neofobia fixando matrizes mentais.
Maniologia: a nostamania realimentando retromatrizes mentais.
Mitologia: as matrizes mentais primitivas presentes nos mitos em geral.
Holotecologia: a recexoteca; a evolucioteca; a mentalsomaticoteca; a experimentoteca;
a intelectoteca; a cognoteca; a cosmoeticoteca; a pensenoteca.
Interdisciplinologia: a Megafocologia; a Evoluciologia; a Materpensenologia; a Mentalsomatologia;
a Holomaturologia; a Autodiscernimentologia; a Interassistenciologia; a Policarmologia;
a Tenepessologia; a Conviviologia; a Vivenciologia; a Sociologia; a Parassociologia.
IV. Perfilologia
Elencologia: a consciênçula; a consréu ressomada; a conscin baratrosférica; a conscin
eletronótica; a conscin lúcida; a isca humana inconsciente; a isca humana lúcida; o ser desperto;
o ser interassistencial.
Masculinologia: o acoplamentista; o agente retrocognitor; o amparador intrafísico;
o atacadista consciencial; o autodecisor; o intermissivista; o cognopolita; o compassageiro evolutivo;
o completista; o comunicólogo; o conscienciólogo; o conscienciômetra; o consciencioterapeuta;
o macrossômata; o conviviólogo; o duplista; o duplólogo; o proexista; o proexólogo; o reeducador;
o epicon lúcido; o escritor; o evoluciente; o exemplarista; o intelectual; o reciclante existencial;
o inversor existencial; o maxidissidente ideológico; o tenepessista; o ofiexista; o paraperEnciclopédia
da Conscienciologia
10
cepciologista; o pesquisador; o pré-serenão vulgar; o projetor consciente; o sistemata; o tertuliano;
o verbetólogo; o voluntário; o tocador de obra; o homem de ação.
Femininologia: a acoplamentista; a agente retrocognitora; a amparadora intrafísica;
a atacadista consciencial; a autodecisora; a intermissivista; a cognopolita; a compassageira evolutiva;
a completista; a comunicóloga; a consciencióloga; a conscienciômetra; a consciencioterapeuta;
a macrossômata; a convivióloga; a duplista; a duplóloga; a proexista; a proexóloga; a reeducadora;
a epicon lúcida; a escritora; a evoluciente; a exemplarista; a intelectual; a reciclante
existencial; a inversora existencial; a maxidissidente ideológica; a tenepessista; a ofiexista; a parapercepciologista;
a pesquisadora; a pré-serenona vulgar; a projetora consciente; a sistemata;
a tertuliana; a verbetóloga; a voluntária; a tocadora de obra; a mulher de ação.
Hominologia: o Homo sapiens holomaturologus; o Homo sapiens eruditus; o Homo sapiens
autolucidus; o Homo sapiens intellectualis; o Homo sapiens determinator; o Homo sapiens
mentalsomathicus; o Homo sapiens pancognitor.
V. Argumentologia
Exemplologia: matriz mental somática = a do indígena ainda restrito à Natureza; matriz
mental psicossomática = a do artista ainda restrito aos comocionalismos; matriz mental mentalsomática
= a do cientista de maior autodiscernimento, mais envolvido com a racionalidade e a Lógica.

Culturologia: a cultura da hiperacuidade intraconsciencial; a Multiculturologia da Holomaturologia;
as multiculturas vivenciadas na seriéxis pessoal influentes na matriz mental atual.
Caracterologia. Sob a ótica da Megafocologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética,
7 categorias básicas de reações intraconscienciais geradas a partir da matriz mental da consciência:
1. Autoconvicções: as experiências pessoais; os posicionamentos; a holomaturidade; as
exemplificações pessoais; o interesse pelo autoparapsiquismo.
2. Carreira profissional: a vocação; os potenciais do ego; a polivalência ou a versatilidade;
a capacidade pessoal de renovação e reciclagem existencial.
3. Círculo social e parassocial: as amizades; o universo de relações interconscienciais
intra e extrafísicas; o grau de interassistencialidade alcançado pelo ego.
4. Materpensene pessoal: o pensene predominante na consciência no momento evolutivo;
o nível da inteligência evolutiva (IE).
5. Ponteiro consciencial: a qualidade da bússola intraconsciencial; os objetivos pessoais;
os projetos em andamento; a qualidade da programação existencial.
6. Preferências pessoais: as coisas favoritas; a qualificação das escolhas; o grau do desconfiômetro;
o nível de autopriorização cosmoética nas atividades pessoais.
7. Tendências: os viéses e vertentes resultantes dos autesforços da consciência; os interesses
básicos atuais gerados pela holobiografia, através dos milênios.
VI. Acabativa
Remissiologia. Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética,
15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas centrais,
evidenciando relação estreita com a matriz mental, indicados para a expansão das abordagens
detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Autocentramento consciencial: Conscienciometrologia; Homeostático.
02. Autopromoção evolutiva: Evoluciologia; Homeostático.
03. Bússola intraconsciencial: Holomaturologia; Homeostático.
Enciclopédia da Conscienciologia
11
04. Centrifugação do egão: Egologia; Homeostático.
05. Direção megafocal: Proexologia; Neutro.
06. Distorção mnemônica: Mnemossomatologia; Nosográfico.
07. Ficha evolutiva pessoal: Autevoluciologia; Neutro.
08. Interassistencialidade: Assistenciologia; Homeostático.
09. Matriz cultural: Holomaturologia; Homeostático.
10. Mudança de ego: Egocarmologia; Neutro.
11. Neoidentidade: Egocarmologia; Neutro.
12. Parautobiografia: Parageneticologia; Homeostático.
13. Pico máximo da inteligência: Mentalsomatologia; Homeostático.
14. Ponteiro consciencial: Holomaturologia; Homeostático.
15. Reciclagem prazerosa: Recexologia; Homeostático.

A MATRIZ MENTAL EXIGE SER CRITERIOSAMENTE DIAGNOSTICADA,
COM AUTOCRÍTICA E REALISMO, POR TODA
CONSCIÊNCIA LÚCIDA QUANDO INTERESSADA NA DINAMIZAÇÃO
DO SALDO DA FICHA EVOLUTIVA PESSOAL.
Questionologia. Você, leitor ou leitora, já identificou e qualificou a própria matriz mental?
Desde quando?
Fonte:
http://www.tertuliaconscienciologia.org/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=20&Itemid=13&mosmsg=You+are+trying+to+access+from+a+non-authorized+domain.+%28www.google.com.br%29

Waldo Vieira
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Waldo Vieira (Monte Carmelo, 12 de abril de 1932) é um lexicógrafo, odontólogo, médico e médium brasileiro.

SABER VIVER BEM é o que importa na sua VIDA!





Tese de um pensador
russo chamado Guerdjef,
que no início do século
passado já falava em auto-
conhecimento e na
importância de se saber
viver.


Dizia ele: "Uma boa vida
tem como base o sentido
do que queremos para nós
em cada momento e
daquilo que,
realmente vale como
principal".



Assim sendo, ele
traçou 20 regras de
vida que foram
colocadas em
destaque no
Instituto
Francês de Ansiedade
e Stress, em Paris.



Dizem os "experts"
em comportamento
que, quem já
consegue assimilar 10
delas, com certeza
aprendeu a viver com
qualidade interior.


Ei-las:

1) Faça pausas de
dez minutos a cada
duas horas de trabalho,
no máximo.
Repita essas pausas
na vida diária
e pense em você,
analisando suas atitudes.



2) Aprenda a dizer não
sem se sentir culpado
ou achar que magoou.
Querer agradar a todos
é um desgaste enorme.


3) Planeje seu dia, sim,
mas deixe sempre
um bom espaço
para o improviso,
consciente de que
nem tudo depende de você.



4) Concentre-se em apenas
uma tarefa de cada vez.
Por mais ágeis que sejam
os seus quadros mentais,
você se exaure.


5) Esqueça,
de uma vez por todas,
que você é imprescindível.
No trabalho, casa,
no grupo habitual.
Por mais que isso lhe desagrade,
tudo anda sem a sua atuação,
a não ser você mesmo.



6) Abra mão
de ser o responsável
pelo prazer de todos.
Não é você a fonte dos desejos,
o eterno mestre de cerimônias.


7) Peça ajuda
sempre que necessário,
tendo o bom senso
de pedir às pessoas certas...



8) Diferencie problemas reais de
problemas imaginários e
elimine-os porque são pura perda
de tempo e ocupam um espaço
mental precioso para coisas mais
importantes.


9) Tente descobrir o prazer de fatos
cotidianos como dormir, comer e
tomar banho, sem também achar
que é o máximo a se conseguir na
vida.



10) Evite se envolver na ansiedade e
tensão alheias enquanto ansiedade
e tensão. Espere um pouco e depois
retome o diálogo, a ação.


11) Família não é você.
Está junto de você.
Compõe o seu mundo,
mas não é a sua própria
identidade.



12) Entenda que princípios
e convicções fechadas
podem ser um grande peso,
a trave do movimento e da
busca.


13) É preciso ter sempre
alguém em que se possa
confiar
e falar abertamente
ao menos num raio de cem
quilômetros.
Não adianta estar mais longe.


14) Saiba a hora certa
de sair de cena,
de retirar-se do palco,
de deixar a roda.
Nunca perca o sentido
da importância sutil
de uma saída discreta.


15) Não queira saber
se falaram mal de você
e nem se atormente
com esse lixo mental;
escute o que falaram bem,
com reserva analítica,
sem qualquer convencimento.



16) Competir no lazer,
no trabalho,
na vida a dois, é ótimo ...
para quem quer ficar esgotado
e perder o melhor.


17) A rigidez é boa na
pedra, não no homem. A
ele cabe firmeza, o que é
muito diferente.


18) Uma hora de intenso
prazer substitui com folga
3 horas de sono perdido. O
prazer recompõe mais que
o sono. Logo, não perca
uma oportunidade de
divertir-se.


19) Não abandone suas 3
grandes e inabaláveis
amigas: a intuição, a
inocência e a fé!


Tese de Guerdjef

20) E entenda de
uma vez por todas,
definitiva e
conclusivamente:


Você é
o que se fizer ser!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Famílias Catarinenses de Origem Germânica








Toni Jochem foi o coordenador do Livro:
A HISTÓRIA DA FAMÍLIA BECKHAUSER NO BRASIL



...
AGORA ESTÁ coordenando este livro abaixo:



Famílias Catarinenses de Origem Germânica

--------------------------------------------------------------------------------
Toni JOCHEM

Senhoras e Senhores,




Atendendo a inúmeros pedidos de informações que nos são dirigidos diariamente informamos que, excepcionalmente, para os retardatários, ainda estamos recebendo pedidos de inscrições para o nosso projeto FAMÍLIAS CATARINENSES DE ORIGEM GERMÂNICA. Outrossim, informamos que, estamos limitando a data de 25 DE NOVEMBRO DE 2009 (dia dedicado a Santa Catarina) para a entrega definitiva dos artigos. Portanto, temos ainda bastante tempo para trabalhar na sua elaboração. Adiantamos que os mesmos deverão ser enviados:



1 – versão eletrônica na seguinte conta de e-mail: artigos180anos@gmail.com



2 – versão impressa no seguinte endereço:

Toni JOCHEM

Rua Gerânio, 217 – Apto 303

Jardim das Palmeiras

88.133-800 – PALHOÇA – SC



3 – versão eletrônica salva em CD e enviada via correios para o endereço constante acima. A versão eletrônica deverá ser a mesma da enviada via e-mail. No referido CD deverá constar, além do respectivo artigo na íntegra, em arquivos individuais, todas as fotografias, documentos etc que dele fazem parte. Os arquivos com fotografia ou similares deverão ter a extensão JPEG e ter a máxima resolução possível. Todas as fotografias deverão ser enviadas em preto e branco e deverão ter qualidade para publicação. Portanto, se a fotografia estiver muito danificada recomendamos que se faça (com técnicos habilitados) a sua restauração. Precisamos zelar pela qualidade gráfica da obra...



O Termo de Cessão de Uso deverá ser enviado somente ano que vem, antes da publicação. Aguardem mais informações sobre esse assunto.



Mais informações serão enviadas posteriormente.



Atenciosamente,



Toni JOCHEM

Coordenador do Projeto











INFORMAÇÕES PARA A INSCRIÇÃO DO ARTIGO







Do Autor:

1 - Nome Completo:

2 - Endereço Postal Completo:

3 - Endereço Eletrônico:

4 - Número Telefone(s):

5 - Pequeno Curriculum Vitae:

6 – Observações:



Do Artigo:

1 - Nome da Família (ou ramo da Família) sobre a qual escreverá:

2 - Resumo (umas 20 linhas) do artigo versando sobre a trajetória da família (ou ramo da família) objeto de sua pesquisa (vinculanda-a ao Estado de Santa Catarina):

3 – Observações: Citar a bibliografia (tanto quanto possível) que será utilizada na elaboração do artigo e mencionar as instituições (arquivos e instituições congêneres) onde pesquisará.



















PROJETO: FAMÍLIAS CATARINENSES DE ORIGEM GERMÂNICA



INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS


FAMÍLIA PESQUISADA
AUTOR
CIDADE

01
Adam
Fabiano Weil
Sherbrooke (Qc) – Canadá

02
Althoff
Ester de Souza Ferreira de Macedo
Florianópolis/SC

03
Andresen
Cordula Reuwsaat Paul
Florianópolis/SC

04
Angewitz
Henrique Luiz Fendrich -

Márcio Ricado Staffen
Pinhais/PR -Balneário Piçarras/SC

05
Arns
Elton Luiz Back
Forquilhinha/SC

06
Ax
Niraci Chiminelli
Florianópolis/SC

07
Baasch
Murilo Westphal
Florianópolis/SC

08
Back
Alexandre José Back
São José/SC

09
Bärsch
Elvira Horstmeyer
Curitiba/PR

10
Barth
Murilo Westphal
Florianópolis/SC

11
Bayer
Germano Bayer
Curitiba/PR

12
Becker
Gilberto Ceratti
Maumee, Ohio - EUA


13
Beckhaüser
Adauto Beckhaüser
Florianópolis/SC

14
Behncke
Therezinha Leony Wolff
Porto União/SC

15
Beiler
Aloysio Clemente Maria Infante de Jesus Breves Beiler
Rio de Janeior/RJ

16
Beims
Ingo Baims
Rio de Janeiro/RJ

17
Bencke
Leandro Dimitry Miranda
Timbó/SC

18
Beppler
Nilo Momm
São José/SC

19
Beyerl
Henrique Luiz Fendrich
Pinhais/PR

20
Bieberbach
Therezinha Leony Wolff
Porto União/SC

21
Bilk
Janir Brandt
Salete/SC

22
Blank
Ellen Crista da Silva
Florianópolis/SC

23
Blind
Mauro Douglas Blind
São José/SC

24
Boeing
Albio Boeing
Florianópolis/SC

25
Böger (Boger, Boeger, Böeger)
Aluízio Brand
São José/SC

26
Bollmann
Antonio Dias Mafra
São Bento do Sul/SC

27
Born
Ocimar Born e Ruth Assunção Garbi
Curitiba/PR

28
Brand (Brandt / Brandes)
Aluízio Brand
São José/SC

29
Brandenburger
Márcia Moellmann Pagani
Florianópolis/SC

30
Brandes
Ricardo Brandes
Blumenau/SC

31
Brandt
Noêmia Brandt Brall
Florianópolis/SC

32
Brandt
Janir Brandt
Salete/SC

33
Braun
Doracy Lourdes Braun Corrêa
Balneário Comboriu/SC

34
Brenneisen
Simone Foltran Mürner
Dresden, Alemanha

35
Breyer
Therezinha Leony Wolff
Porto União/SC

36
Brixi
Soraya Brixi Tony de Souza
Brasília/DF

37
Broering
Ester de Souza Ferreira de Macedo
Florianópolis/SC

38
Brusky
Sonia da Conceição von Brüsky Sales
São Paulo/SP

39
Buch
Leni Marilda Buch
São José dos Campos/SP

40
Budde
Leani Budde
Florianópolis/SC

41
Buerger
Elisabeth Christina Renger
Nova Lima/MG

42
Bunn
Clarmi Regis e Maria Ester Menegasso
Florianópolis/SC

43
Buss
Anselmo Buss
Florianópolis/SC

44
Colin
Roberto Colin
Berlim – Alemanha

45
Conrad
Marilene Siqueira Paulella
São Paulo/SP

46
Conradi
Nilo Momm
São José/SC

47
Deschamps
Genésio Deschamps e Alfredo Scottini
Blumenau/SC

48
Diener
Douglas Moeller Diener
Curitiba/PR

49
Dräger
Nilton Hamann
BRASILIA/DF

50
Eckert
Ivo Eckert
Pinhalzinho/SC

51
Eli
Nilo Momm
São José/SC

52
Engel
Vidal Horácio Engel
Florianópolis/SC

53
Erdmann
Elisabeth Christina Renger
Nova Lima/MG

54
Ewald
Oscar Ewald
Blumenau/SC

55
Exterkotter
Eugenia Exterkoetter Heidemann
Tubarão/SC

56
Faust
Aluízio Brand
São Jose/SC

57
Fendrich
Henrique Luiz Fendrich
Pinhais/PR

58
Forster
Murilo Westphal
Florianópolis/SC

59
Franzener
Nilo Momm
São José/SC

60
Freiberger
Leonor Kuhn
Puerto Rico

Misiones

Argentina

61
Freygang
Sueli Freygang
Blumenau/SC

62
Friese
Airton Mathias e Werner Friese
Jaraguá do Sul/SC e Blumenau/SC

63
Fritzen
Nilo Momm
São José/SC

64
Froehner
Juliano Froehner
São Paulo/SP

65
Gintner
Luiz José Gintner
Rio de Janeiro/RJ

66
Goelzer
Gilberto Ceratti
Maumee, Ohio, United States

67
Granemann
Maria Aparecida Granemann José
Joinville/SC

68
Grathwohl Krebs
Janir Brandt
Salete/SC

69
Guesser (Gesser)
Wilson Luiz Guesser
Joinville/SC

70
Günther/Guenther
Bethania Guenther
Blumenau/SC

71
Haag
Fabiano Carcuchinski Haag
Florianópolis/SC

72
Hackbarth
Zilda Hatschbach
Florianópolis/SC

73
Haendchen
Sabrina Helena Planca
Gaspar/SC

74
Hahn
Valdemar Hahn Junior
Araranguá/SC

75
Hames
Luiz Fermino Hames Júnior
São José/SC

76
Hamester
Solange Maria Hamester Johann
Santa Maria do Herval/RS

77
Hang
Vania Hang Schmitz
Rio do Sul/SC

78
Hatschbach
Zilda Hatschbach
Florianópolis/SC

79
Hawerroth
Edy Álvares Cabral de Barros
Florianópolis/SC

80
Heeren
Marcelo Andreas Meyer
Freising, Alemanha

81
Heidemann
Francisco Gabriel Heidemann,

Benjamim Heidemann e

Gustavo Zatt Heidemann
Florianópolis/SC

Tijucas/SC

82
Heinzen
Mafalda Pereira Boeing
Florianópolis/SC

83
Henkel (Henckel)
Rudnei Hinkel
Criciúma/SC

84
Herrmann - Friedrich Wilhelm Herrmann
Lony Lia Herrmann
Rio de Janeiro/RJ

85
Hillesheim
Glacy Weber Ruiz Cavallaro
Guarulhos/SP

86
Hinkel (Hinckel)
Rudnei Hinkel
Criciúma/SC

87
Hoepcke
Annita Hoepcke da Silva
Florianópolis/SC

88
Hoeper
Lucas Hoepers
São José/SC

89
Hoepfner
Gastão Hoepfner
Joinville/SC

90
Holderegger
Alberto Holderegger
Joinville/SC

91
Horst
Luiz Henrique Wissel
Águas Mornas/SC

92
Hruschka
Cristian Luis Hruschka
Blumenau/SC

93
Huber
Valburga Huber
Rio de Janeiro/RJ

94
Hümmelgen
Cristian Luis Hruschka
Blumenau/SC

95
Huscher
Ingo Baims
Rio de Janeiro/RJ

96
Imhof
Renate Imhof Benvenutti
Florianópolis/SC

97
Jochem
Toni Jochem
Palhoça/SC

98
Jochem
Sidnei Kohler
Brusque/SC

99
Kahl
José Carlos Kahl
Florianópolis/SC

100
Kaiser/Kayser/

Kaizer
Julião Kaiser
Vitória/ES

101
Kemper
Nilton Kemper
Joinville/SC

102
Kestering
Ivo Kestering
Campo Alegre/SC

103
Kilian
Bruno Kilian Kadletz
Palhoça/SC

104
Kirchner
Angela Regina Kirchner
Florianópolis/SC

105
Klemann
Edson Dimas Klemann


106
Klock
Luciana Costa Mência
Florianópolis/SC

107
Kniess
Janir Brandt
Salete/SC



108
Kobs
Soeli Aparecida Tuleski
Curitiba/PR

109
Kock
Janir Brandt
Salete/SC

110
Koerich
Ester de Souza Ferreira de Macedo
Florianópolis/SC

111
Koerich - Ramo da Família Bernardo Vicente Koerich
Maria de Lourdes Koerich Vieira Lopes
Palhoça/SC

112
Koerich - Ramo da Família de Bernardo Vicente Koerich
Maria de Lourdes Koerich Vieira Lopes
Palhoça/SC

113
Kohler
Zilda Hatschbach
Florianópolis/SC

114
Kohler
Vandrigo Kohler
Guabiruba/SC

115
Köhler/Koehler
Gerson Irandir Köhler
Curitiba/PR

116
Koller
Erno Oscar Koller
Dourados/MS



117
Konder
José Roberto Severino
Itajaí/SC

118
Kons (Kunz/Konz)
Kelvin Borges Konz
Florianópolis/SC

119
Korndörfer
Fernando Júlio Korndorfer Neto
Curitiba/PR

120
Koser
Luciana Costa Mência
Florianópolis/SC

121
Kreibich
Norma Maria do Valle
Mafra/SC

122
Kretzer
Mariângela Kretzer Martins
Florianópolis/SC

123
Kubin
Edeli Kubin Sarda
Florianópolis/SC

124
Kühl
Murilo Westphal
Florianópolis/SC

125
Kuhnen
Celita Irene Campos Angeloni
Florianópolis/SC

126
Kuhnen - Ramo de Francisco Henrique Kuhnen
Remberto Francisco Kuhnen e Raul Francisco Kuhnen
Curitiba/PR e Curitiba/PR

127
Labes
Renato José La Porta Pimazzoni Filho
São Paulo/SP

128
Locks
Elisabete Locks e Luciano D’Ambrosio
Colico (LC) – Itália

129
Lückmann
Nelson Lückmann
São José/SC

130
Ludwig
Vanderlei Ludwig
Tabatinga/AM

131
Mandel
Murilo Westphal Clarkson Sell
Florianópolis/SC Palhoça/SC

132
Mannrich ou Mannerich
Walmor Mannrich
Blumenau/SC

133
Matthias
Airton Mathias


Jaraguá do Sul/SC

134
Mees
Janir Brandt
Salete/SC

135
Meier
Werner Meier
Belém/PA

136
Meisen
Valdemar Meisen
Blumenau/SC

137
Meisinger
Romulo Cézar Pizzolatti
Criciúma/SC

138
Meyer
Marcelo Andreas Meyer
Freising, Alemanha

139
Meyer
Nilo Momm
São José/SC

140
Michels
Evair Heerdt Michels
Araranguá/SC

141
Mitttelmann
Charles Mittelmann
Blumenau/SC

142
Moeller
Nilo Momm
São José/SC

143
Moeller (Möller)
Douglas Moeller Diener
Curitiba/PR

144
Moellmann
Leatrice Moellmann Pagani
Florianópolis/SC

145
Momm
Nilo Momm
São José/SC

146
Moritz
Bruno Kadletz
Palhoça/SC

147
Müller
Carlos Henrique Müler
Angelina/SC

148
Müller
Mário Milton Müller
São José/SC

149
Müller
Max José Müller
Florianópolis/SC

150
Müller
André Luiz Mueller
Blumenau/SC

151
Müller
Kathleen Evelyn Muller
Curitiba/PR

152
Müller
Janir Brandt
Salete/SC

153
München
Anselmo Julio München Kraemer
Ituporanga/SC

154
Neckel
Artur Neckel e Sebastião Neckel
Lages/SC

155
Pagel
Silvia Galvão Pagel Scharf e Dário Pagel
Blumenau/SC Blumenau/SC

156
Parucker
Guilherme Augusto Heinemann Gassenferth


Joinville/SC

157
Pfiffer
Ademir Pfiffer
Jaraguá do Sul/SC

158
Pfützenreuter
Rudney Otto Pfützenreuter
Florianópolis/SC

159
Pfutzenreuter – Ramo de Johann Friedrich Otto Pfutzenreuter.
Eunice Leite da Silva Tavares
Florianópolis/SC

160
Pilar
Cleusa Pilar
Balneário Comboriu/SC

161
Pilz
Luiz Carlos Pilz
Veranópolis/RS

162
Platten
Daura Soares de Souza
São José/SC

163
Plothow
Solange Plothow de Castro
Joinville/SC



164
Porndorfer
Edeli Kubin Sarda
Florianópolis/SC

165
Prüss
Flávio Pruess
Blumenau/SC

166
Pütz
Romeu Pitz
Florianópolis/SC

167
Quint
José Amaro Quint
São José/SC

168
Rambusch
Zélia Maria Nascimento Sell
Curitiba/PR

169
Rauen
Enólia Macedo Bacellar
Curitiba/PR

170
Raupp
Klaus da Silva Raupp
Florianópolis/SC

171
Rech


João José Viana e Rosa Lopes Coelho
São Vicente/SP Santos/SP

172
Reinehr
Altair Reinehr
Maravilha/SC

173
Reinert
Luiz Fernando Schroh
Curitiba/PR

174
Reinhold
Sidney Alexandre Reinhold
Timbó/SC

175
Reitz / Raitz
Nineia Raitz
Florianópolis/SC

176
Rengel
Avelino Rengel
Ituporanga/SC

177
Richartz
Adriano Machado
Jaraguá do Sul/SC

178
Risch
Valter Risch
Curitiba/PR

179
Rode
João Rode Gonçalves
Camboriú/SC

180
Roesler
Henrique Luiz Fendrich
Pinhais/PR

181
Roesler
Cido Érico Roesler
São Paulo/SP

182
Rudolph
Helena Mª Caminha Beduschi
Blumenau/SC

183
Salm
Jones Guilherme Neves Filho
Florianópolis/SC

184
Schambeck
Romulo Cézar Pizzolatti
Criciúma/SC

185
Scharf
Wandir Martins Scharf
Palhoça/SC

186
Scharf
Newton Scharf e Sílvia Galvão Pagel Scharf
Blumenau/SC

187
Schauren
Décio Aloisio Schauren
Porto Alegre/RS

188
Schindler
Flávio Prüss
Blumenau/SC

189
Schmitt
Daniel Silveira
São Pedro de Alcântara/SC

190
Schmitz
Anildo Schmitz
Anitápolis/SC

191
Schmitz - Ramo da Família de Filomena Schmitz
Maria de Lourdes Koerich Vieira Lopes
Palhoça/SC

192
Schmoeller
Fernando Alécio Schmoeller Rodrigues
Navegantes/SC

193
Schoenau
Oscar Ewald
Blumenau/SC

194
Schorr
João Roque Schorr Ledur
Cascavel/PR

195
Schreiner
Cristina Gláucia Schreiner da Mota
Campo Mourão/PR

196
Schroeder
Marcos Schroeder
Blumenau/SC

197
Schubert
Cristina Arzabe
Parnaíba-PI

198
Schuch
Edmara Schuch
Palhoça/SC

199
Schulz
Ellen Crista da Silva
Florianópolis/SC

200
Schumacher
Márcio Ricardo Staffen
Balneário Piçarras/SC

201
Schürmann
Valburga Huber
Rio de Janeiro/RJ

202
Schütz
Clarkson Sell
Palhoça/SC

203
Schwabe
Clarmi Regis e Maria Ester Menegasso
Florianópolis/SC

204
Schwambach
Murilo Westphal
Florianópolis/SC

205
Schwinden
Nilson Cesar Fraga
Curitiba/PR

206
Sehnem
Nilo Momm
São José/SC

207
Sell
Clarkson Sell
Palhoça/SC

208
Siebeneicher
Therezinha Leony Wolff
Porto União/SC

209
Simon
Sabrina Helena Planca
Gaspar/SC

210
Staffen
Márcio Ricardo Staffen
Balneário Piçarras/SC

211
Stahl
Margit Ehmke
Jaraguá do Sul/SC

212
Stanger
Edno Stanger
Curitiba/PR

213
Steffens
Nilo Momm
São José/SC

214
Steiner
Carlos Eduardo Steiner
Campinas/SP

215
Stüpp
Janir Brandt
Salete/SC

216
Thiesen
Celita Irene Campos Angeloni
Florianópolis/SC

217
Thomé
Nilson Thomé
Caçador/SC

218
Toni ou Tony
Soraya Brixi Tony de Souza
Brasília/DF

219
Tönjes
Claus Hinckel Tönjes
Blumenau/SC

220
Truppel
Jackson Duarte Carvalho
Palhoça/SC

221
Vogel
Geraldo Sérgio Vogel
Blumenau/SC

222
Voigt
Zilda Hatschbach
Florianópolis/SC

223
Volkweis
Pedro Luiz Volkweis
Chapecó/SC

224
Von Tönnemann
Nivaldo Klein
Joinville/SC

225
Wagner
Geraldo Sérgio Vogel
Blumenau/SC

226
Warm(e)ling
Adilson Roberto Warmling
Lages/SC

227
Warmling - Ramo Anton
Inocêncio Warmling
Brasília/DF

228
Weber
Glacy Weber Ruiz Cavallaro
Guarulhos/SP

229
Wedekin
Giancarlo Marques Zeni
Rio de Janeiro/ RJ

230
Weege
Ellen Annuseck Bona e Fred Ullrich
Jaraguá do Sul/SC

231
Westphal
Mitsi Westphal Taylor
Florianópolis/SC

232
Westrup
Elton Luiz Back
Forquilhinha/SC

233
Wetzel
Nilton Hamann
Brasilia/DF

234
Wiederkehr
Alessandra Helena Wiederkehr
Blumenau/SC

235
Wiggers
Wilson Wiggers
São José/SC

236
Wilbert
Romeu Pitz
Florianópolis/SC

237
Wissel
Luiz Henrique Wissel
Águas Mornas/SC

238
Wolf
Francisco José Saidl
Spring Grove, PA - EUA

239
Wurth
Cristina Gláucia Schreiner da Mota
Campo Mourão/PR

240
Zang
Mário Milton Müller
São José/SC

241
Zarpe
Rodolfo Francisco Zarpe
Porto Alegre/RS

242
Ziemke
Meda Armelinda Zimke
Marechal Cândido Rondon/PR

243
Zipperer
Henrique Luiz Fendrich
Pinhais/PR

244
Zoz
Marlise Frotscher Milbratz
Blumenau-SC










FORMATAÇÃO DO PROJETO:

“FAMÍLIAS CATARINENSES

DE ORIGEM GERMÂNICA”





LIVRO COMEMORATIVO AOS 180 ANOS DE IMIGRAÇÃO ALEMÃ

NO ESTADO DE SANTA CATARINA

1829 – 2009



NOSSO OBJETIVO: Publicar histórias de FAMÍLIAS CATARINENSES DE ORIGEM GERMÂNICA que, de alguma forma, contribuiram com o desenvolvimento do Estado de Santa Catarina (com especial destaque para as famílias anônimas que não são ou foram objetos de pesquisa histórica). Ao se proceder ao estudo das famílias que dão visibilidade a etnia alemã em Santa Catarina pode-se compreender o modo de ver o mundo de um povo que deixou sua terra natal para reiniciar sua nova vida em solo catarinense.





1 – O que se entende por FAMÍLIAS CATARINENSES DE ORIGEM GERMÂNICA?


Por FAMÍLIAS CATARINENSES DE ORIGEM GERMÂNICA entendemos as famílias alemãs, suíças, austríacas, luxemburguesas, polonesas etc (critério: uso do idioma alemão) que têm vínculo com o Estado de Santa Catarina. Dessa forma, consideramos que a identidade alemã é dada pelo conceito de “Kultur”, com todos os seus significados correlatos. Ela – a identidade alemã – se calca em fatos intelectuais, artísticos e religiosos, refletindo a consciência da nação. Daí porque consideramos alemães os imigrantes que faziam uso da língua alemã através dos conceitos decorrentes do jus sanguinis: direito pelo sangue, direito pela herança. Por esse conceito classifica-se como “alemão” todo aquele que faz uso das especificidades decorrentes do jus sanguinis, independente do País/Estado onde tenha nascido. Provinham dos Estados do Reich Alemão de 18 de janeiro de 1871, incluindo a Alsácia-Lorena (hoje França), Luxemburgo, Suíça, Áustria, Hungria, República Tcheca (antiga Boêmia, Morávia e parte da Silésia), Romênia, Polônia, Bielorrússia, Ucrânia, Lituânia, Letônia, Estônia além do Tirol (hoje norte da Itália) e imediações. Dessa forma entendemos que a nacionalidade configura uma condição humana desvinculada da condição de cidadania. Se a nacionalidade – que podemos denominar de Volkstum ou etnicidade – é um atributo cultural decorrente do povo a cidadania decorre das prerrogativas do Estado enquanto unidade autônoma e soberana.



2 – Quem pode participar?

Quem assim o desejar, mas, de preferência, quem está desenvolvendo ou já desenvolveu pesquisas históricas/genealógicas sobre a família com a qual deseja participar.



3 – Pessoas nascidas em outros Estados, mas descendentes de famílias germânicas que colonizaram Santa Catarina podem participar?

Sim, claro. Mas terão que ter como objeto de seu artigo uma família que tenha vínculo inequívoco com o Estado de Santa Catarina. Estas famílias não precisam estar referenciadas com as primeiras levas de imigrantes instalada em solo catarinense; portanto, é possível retratar também aquelas que vieram mais tarde... Se a família chegou ao Estado de Santa Catarina no mês passado ainda assim poderá ser objeto de nosso projeto.



4 – Será um livro ou uma série de livros?

Isso vai depende exclusivamente do número que adesões que o projeto terá. Se tivermos a adesão de 10 famílias publicaríamos um livro com umas 100 páginas. Mas, se tivermos, por exemplo, a adesão de 100 famílias, publicaríamos dois volumes com, aproximadamente, 500 páginas cada.



5 – Quando será lançado?

O livro será lançado, possivelmente, em dezembro de 2009.



6 – O livro servirá para marcar alguma data em especial?

O lançamento do livro integrará os festejos dos 180 anos de imigração alemã em Santa Catarina.



7 – Até quando poderei enviar o meu texto?

O processo de elaboração de um livro como o que estamos propondo é tarefa árdua. Exige tempo para pesquisas, para redação, para revisão de conteúdo/ortográfica/gramatical... Vamos sugerir talvez o mês de AGOSTO/SETEMBRO de 2009, IMPRETERIVELMENTE, para a entrega definitiva do artigo (já devidamente revisado, inclusive gramaticalmente). Nosso calendário de trabalho terá os seguintes itens: I – Motivar o pessoal e receber as inscrições dos interessados; II – Acompanhar o desenvolvimento dos trabalhos sugerindo individualmente, se for o caso, “isso ou aquilo”; esse projeto quer acolher e não excluir – sei que algumas pessoas têm dificuldade em escrever; III – Entrega preliminar do artigo; IV – Entrega definitiva do Artigo.



8 – Deverei seguir normas para a elaboração do meu artigo?

Sim. A elaboração dos artigos deverá obedecer, tanto quanto possível, as normas vigentes da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) através da NBR6023/2002. Nosso Fórum “Imigração Alemã” terá pessoas que poderão prestar orientações de como elaborar o citado artigo observando as citadas normas, mas sugerimos que você solicite objetivamente a ajuda desejada. Portanto, as notas e referências deverão seguir a NBR 6023/2002. Segue um link para um manual de aplicação da NBR 6023/2002 – Normas
para referenciação bibliográfica:
http://www.prsc.mpf.gov.br/biblioteca/novidades/Manual_Referencias_Bibliograficas.pdf

As notas deverão ser de fim (depois das Referências). Outras especificações/recomendações/exigências serão encaminhadas oportunamente.



Observação: Se o artigo se demonstrar inconsistente, tendencioso ideologicamente e/ou contendo outras graves limitações de qualquer ordem e se o respectivo autor se recusar em adaptá-lo de acordo com as sugestões pertinentes o mesmo será CONSIDERADO INAPTO PARA PUBLICAÇÃO EM NOSSO LIVRO.



9 – Qual a abordagem dos textos?

Cada artigo versaria sobre a trajetória de uma determinada família (veja um possível exemplo de artigo no arquivo em anexo) ou sobre um determinado ramo de uma família. Vejam só: são artigos específicos especialmente/cuidadosamente/criteriosamente elaborados para tal publicação contendo, se possível, fotografias, documentos, mapas etc... Sua elaboração deverá seguir normas que serão elaboradas para tal fim. O referido artigo não seria, portanto, somente um apanhado de informações genealógicas ou um simples verbete biográfico ou autobiográfico.



10 – Qual tamanho deve ter o texto?

O artigo deverá ter, no máximo, 10 páginas. A tipologia, o espaçamento entre as linhas e o número de caracteres serão divulgados oportunamente.



11 – Posso escrever sobre mais de uma família?

Sim. Há a possibilidade de um mesmo autor escrever sobre mais de uma família (não haveria limite); mas teria limite a quantidade de páginas de cada artigo.



12 – Posso colocar ilustrações (fotos, mapas)?


Sim. Seria interessante ilustrar o artigo.



13 – Os interessados em participar precisarão pagar?

Nosso projeto para a publicação do livro foi encaminhado aos órgãos competentes para a sua inclusão nas leis de incentivo à cultura. Se aprovado NINGUÉM PRECISARÁ PAGAR NADA PARA PARTICIPAR DO PROJETO – esse é o “PLANO A”. Mas, se nosso projeto não merecer o apoio das leis de incentivo à cultura aplicaremos o “PLANO B” para viabilizá-lo. O “plano B” consiste em cada autor contribuir com uma determinada quantia em dinheiro para viabilizar a edição da obra. Nesse caso, seriam publicados os artigos somente de quem efetivamente contribuísse, financeiramente, para a edição do livro. Tudo indica que teremos o apoio do Governo do Estado de Santa Catarina, para publicar nossa obra FAMÍLIAS CATARINENSES DE ORIGEM GERMÂNICA. Se isso realmente ocorrer - terei a confirmação nos próximos dias - ninguém precisará pagar nada para participar do referido projeto pois os livros, em sua grande maioria, serão destinados às Escolas e Bibliotecas de Santa Catarina e a instituições congêneres. Portanto, os livros não poderão ser comercializados. E, se o governo viabilizar a publicação de nosso livro o mesmo não poderá ser comercializado. Terá parte da edição destinada a Escolas, Bibliotecas e instituições afins.



NOVIDADE: Cada autor receberá gratuitamente (mas terá que pagar os correios!), por conta de sua participação, uma quantidade X de toda a obra publicada. Talvez X represente 5 exemplares. Dessa forma, se publicarmos 3 tomos cada autor receberia 15 unidades. Mas, antes de definirmos esse aspecto precisaremos ter certeza do apoio efetivo do Governo ao nosso projeto.



Com a definição do governo formataremos em definitivo o nosso projeto com a fixação das normas, cronograma etc etc...



14 – Terei direito a receber algum livro?

Sim. Cada autor que aderir ao nosso projeto receberá 2 (dois) exemplares do livro (ou dos livros – caso publicarmos mais de um volume) por cada artigo publicado, como forma de gratificação pela colaboração.



15 – Participando do livro, terei que ceder os direitos autorais do mesmo? Poderei usar as informações contidas no artigo caso eu queria escrever um futuro livro sobre minha família?

Sim, claro. Mas, quando da entrega definitiva do artigo para integrar o nosso livro o respectivo autor deverá encaminhar também um TERMO DE CESSÃO DE USO. Somente com o referido TERMO o artigo integrará nosso livro. Sobre o assunto, para dirimir dúvidas, informo que: 1 – O TERMO DE CESSÃO DE USO a que me refiro é regido pela lei nº 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil. 2 – O TERMO DE CESSÃO DE USO terá validade exclusivamente e tão-somente para a inclusão do artigo em nosso livro e refere-se unicamente aos direitos de edição, de publicação. A autoria do artigo será de quem o elaborou. O referido TERMO seria apenas uma garantia tentando evitar aborrecimentos futuros. NÃO QUERO E NÃO VOU USURPAR DIREITOS AUTORAIS DE NINGUÉM. Portanto, cada autor será dono de seu artigo por todo o sempre e dele poderá fazer uso como melhor lhe convier. Só preciso de garantias através de um TERMO DE CESSÃO DE USO para poder incluí-lo em nosso livro. 3 – Será liberada a reprodução parcial/total do artigo publicado em nosso livro. Portanto, cada autor poderá usá-lo em outras publicações, ou para qualquer outro fim. Isso depende, exclusivamente, da vontade de seu autor. 4 – No TERMO DE CESSÃO DE USO o cedente declarará que é autor e titular da propriedade dos direitos autorais do artigo. 5 – O CEDENTE declara que o artigo não infringe direitos autorais e/ou outros direitos de propriedade de terceiros, que a divulgação de imagens (caso as mesmas existam) foi autorizada e que assume integral responsabilidade moral e/ou patrimonial, pelo seu conteúdo, perante terceiros.



16 – Quais as instituições estão dando apoio?

Visitaremos diversas instituições solicitando o apoio ao nosso projeto. Infelizmente, as chuvas que atingiram SC dificultaram esse trabalho. Mas, até agora, temos o apoio das seguintes entidades: Prefeitura Municipal de São Pedro de Alcântara-SC, Prefeitura Municipal de Águas Mornas-SC, Coordenação Estadual dos Festejos dos 180 anos de Imigração Alemã em SC, do Instituto de Genealogia de SC e da Academia de Letras de Santo Amaro da Imperatriz-SC.



17 – Como será a distribuição dos livros?

Se o livro for patrocinado pelas leis de incentivo à cultura 20% de sua tiragem (ainda não definida) será distribuída às Bibliotecas Públicas do Estado de Santa Catarina e instituições congêneres. Se houver lucro com a venda do livro o mesmo reverterá para a ampliação do website IMIGRAÇÃO ALEMÃ disponível no seguinte endereço eletrônico: www.tonijochem.com.br O referido website vem divulgando e socializando, gratuitamente, informações sobre imigração alemã no Brasil e precisa ser atualizado para melhor servir aos consulentes.



18 – Haverá algum evento para marcar o lançamento da publicação?

Para o lançamento pretende-se realizar o encontro dos membros do Fórum Imigração Alemã. O local e a data ainda não estão definidos.









Amigos,



No Fórum IMIGRAÇÃO ALEMÃ foi publicado o texto abaixo versando sobre: Quais as consequências jurídicas para um informação genealógica incorreta publicada? Pois as informações que estão publicadas foram ditas verbalmente por um membro da família e sei que muitas vezes não temos a fonte documentada.



Acho muito conveniente esse tipo de discussão e desejo que todos tenham ciência de seu conteúdo. É preciso estar atento...



Att.



Toni JOCHEM

Palhoça – SC





charlesmittelmann escreveu:


Boa noite companheiros de lista...

Hoje me deparei com uma situação inusitada.

Acredito que é vontade de todo pesquisador publicar suas pesquisas em livros, Internet, etc.

Hoje recebi ligação de uma pessoa sobre informação publicada em meu site sobre uma das pesquisas que estou trabalhando. Ligou dizendo que havia um erro na informação e pediu para eu corrigir. Fiz de imediato no meu sistema e tirei o meu site do ar por não conseguir alterar ele. Pois ela me disse que se não tirasse iria me processar.

Então eu pergunto: Quais as consequências jurídicas para um informação genealógica incorreta publicada? Pois as informações que estão publicadas foram ditas verbalmente por um membro da família e sei que muitas vezes não temos a fonte documentada.

Agradeço a todos.

Charles Mittelmann
Blumenau | Brasil
charles.mittelmann@yahoo.com.br

-------------------------------------------



O teor do e-mail acima fez surgir diversas manifestações. Uma dela foi postada no Fórum SC-Gen por Brigitte Brandenburg cujo teor reproduzimos – com a devida permissão da autora – abaixo abordando sobre as normas recomendadas pela Sociedade Genealógica Americana. Achei muito interessantes as referidas recomendações e, dessa forma, socializamos com todos. Abaixo, texto postado pela Brigitte:



Na minha opinião, há questões éticas envolvidas quando se publica material genealógico em sites, ou citações de informações de terceiros, publicações, etc em grupos como este, inclusive. Sobre a questão legal, de dados na internet, em sites, eu desconheço precedentes de casos. Mas eu mesma já reclamei, de duas situações distintas, que até poderiam ser levantadas também, porque tenho dúvidas. Eu traduzi os ítens, e desculpe-me se errei em algo; por isso também coloquei o original, para que não haja confusão.

Abraço,

Brigitte



Standards For Sharing Information With Others
Padrões para a Troca de informações
Recommended by the National Genealogical Society

Recomendadas pela Sociedade Nacional de Genealogia (EUA)



Conscious of the fact that sharing information or data with others, whether through speech, documents or electronic media, is essential to family history research and that it needs continuing support and encouragement, responsible family historians consistently—



Cientes do fato de que a troca de informações ou dados, com outros, tanto através de conversas, documentos ou mídia eletrônica, é essencial para a pesquisa de família, e que esta precisa de suporte e estímulo, que os historiadores de família, responsáveis, consistentemente:

respect the restrictions on sharing information that arise from the rights of another as an author, originator or compiler; as a living private person; or as a party to a mutual agreement.
Respeitem as restrições da troca de informações que se originem dos direitos de outro como autor, criador ou compilador; como pessoa viva; ou como um co-autor, desde que em mútuo acordo.
observe meticulously the legal rights of copyright owners, copying or distributing any part of their works only with their permission, or to the limited extent specifically allowed under the law's "fair use" exceptions.
Observem, meticulosamente os direitos legais de autoria, na cópia ou distribuição de qualquer parte de seu trabalho apenas com sua permissão, ou ao limite permitido sob as exceções da lei (fair use).

identify the sources for all ideas, information and data from others, and the form in which they were received, recognizing that the unattributed use of another's intellectual work is plagiarism.
Identifiquem as fontes de todas as idéias, informações ou dados de outros, e a forma na qual foram recebidas, reconhecendo que o uso não atribuído ao trabalho intelectual de outro é plágio.

respect the authorship rights of senders of letters, electronic mail and data files, forwarding or disseminating them further only with the sender's permission.
Respeitem os direitos de autoria dos emissários de cartas, de correio eletrônico e de arquivos de dados, repassando-os apenas com a permissão dos emissários.
inform people who provide information about their families as to the ways it may be used, observing any conditions they impose and respecting any reservations they may express regarding the use of particular items.
Informem pessoas que liberem informações sobre suas famílias, das maneiras como poderão ser usadas, observando quaisquer condições que elas imponham, respeitando quaisquer reservas que estas possam expressar no uso de itens particulares.

require some evidence of consent before assuming that living people are agreeable to further sharing of information about themselves.
Requeiram alguma evidência de consentimento antes de supor que pessoas vivas estejam de acordo com o compartilhamento futuro de informações sobre si mesmas.

convey personal identifying information about living people—like age, home address, occupation or activities—only in ways that those concerned have expressly agreed to.
Assegurar que informações pessoais que identifiquem pessoas vivas – como idade, endereço, profissão ou atividades – apenas nas formas que aqueles em questão tenham expressado concordância.

recognize that legal rights of privacy may limit the extent to which information from publicly available sources may be further used, disseminated or published.
Reconheçam que os direitos legais à privacidade podem limitar a extensão na qual informações de fontes públicas disponíveis podem ser posteriormente usadas, disseminadas ou publicadas.

communicate no information to others that is known to be false, or without making reasonable efforts to determine its truth, particularly information that may be derogatory.
Não comuniquem informações que sejam reconhecidamente falsas, ou sem que sejam feitos esforços no sentido de determinar sua verdade, particularmente informações que possam ser derrogatórias.

are sensitive to the hurt that revelations of criminal, immoral, bizarre or irresponsible behavior may bring to family members.
Sejam sensíveis à dor que revelações de crime, comportamento imoral, bizarro ou irresponsável, possa trazer aos membros da família.
©2000 by National Genealogical Society. Permission is granted to copy or publish this material provided it is reproduced in its entirety, including this notice.

*2000 por National Genealogical Society. Permissão para cópia ou publicação desde que reproduzido na íntegra, incluindo esta nota.

Committees § Standards

Copyright © 2001 National Genealogical Society, all rights reserved.
National Genealogical Society, 4527 17th Street North, Arlington, VA 22207-2399
Tel. (703) 525-0050 or (800) 473-0060; Fax (703) 525-0052














Prezados (as) Colaboradores (as),





Atendendo a pedidos de esclarecimentos sobre a possibilidade/conveniência de inclusão de BRASÕES DE ARMAS DE FAMÍLIA nos artigos do projeto FAMÍLIAS CATARINENSES DE ORIGEM GERMÂNICA temos o seguinte a informar:



1 – A inclusão de Brasões de Armas de Família será permitida desde que o autor do artigo possa evidenciar de uma forma inequívoca que o Brasão apresentado tem uma ligação efetiva com o trabalho apresentado. Portanto, se você estiver escrevendo sobre a família HOFFMANN (ou qualquer outra) não basta apresentar um brasão atribuído a essa família. É preciso que o brasão referido tenha procedência comprovada e que tenha vínculo com a família objeto de seu trabalho. Não poderá ser qualquer brasão, confeccionado por qualquer hieraldista de plantão. É preciso realizar árduos e conclusivos estudos de procedência e de vínculo familiar. Reitero: árduos estudos. Caso contrário, não envie brasões de armas para o nosso projeto.





Temos quase 250 inscrições homologadas. Parabéns a todos nós! Esse resultado é/foi fruto de MUITO TRABALHO. E esse mérito é de todos nós. E se alguém ainda quiser se inscrever que o faça imediatamente... Nosso trabalho continuará até a publicação de nosso livro (por muitos, carinhosamente, chamado de Enciclopédia das Famílias Alemãs). Pretendemos publicá-lo no primeiro semestre de 2010 encerrando os festejos alusivos aos 180 anos. As tratativas junto ao governo de Santa Catarina caminham. Mas tudo indica que (dada a grande quantidade de inscrições homologadas) teremos que ter também apoio financeiro oriundo de outros segmentos sociais. Estamos cuidando desse aspecto...



Estamos limitando a data de 25 DE NOVEMBRO DE 2009 (dia dedicado a Santa Catarina) para a entrega definitiva dos artigos. Portanto, temos ainda bastante tempo para trabalhar na sua elaboração. Adiantamos que os mesmos deverão ser enviados:



1 – versão eletrônica na seguinte conta de e-mail: artigos180anos@gmail.com

2 – versão impressa no seguinte endereço:

Toni JOCHEM

Rua Gerânio, 217 – Apto 303

Jardim das Palmeiras

88.133-800 – PALHOÇA – SC

3 – versão eletrônica salva em CD e enviada via correios para o endereço constante acima. A versão eletrônica deverá ser a mesma da enviada via e-mail. No referido CD deverá constar, além do respectivo artigo na íntegra, em arquivos individuais, todas as fotografias, documentos etc que dele fazem parte. Os arquivos com fotografia ou similares deverão ter a extensão JPG e ter a máxima resolução possível. Todas as fotografias deverão ser enviadas em preto e branco e deverão ter qualidade para publicação. Portanto, se a fotografia estiver muito danificada recomendamos que se faça (com técnicos habilitados) a sua restauração. Precisamos zelar pela qualidade gráfica da obra...



O Termo de Cessão de Uso deverá ser enviado somente ano que vem, antes da publicação. Aguardem mais informações sobre esse assunto.



Mais informações serão enviadas posteriormente.



Atenciosamente,



Toni JOCHEM


Coordenador do Projeto

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

celebrando o envelhecer - - - Perdoe tudo de todos...





===================================================================================
Recebi por e-mail, a pedido, publico neste espaço.

Veja e divulgue, mas o mais importante, use estes conselhos.
Sua perspectiva de vida e o seu conviver será bem melhor.
Felicidades!
==============================================================================
Assunto: DICAS - Regina Brett - 90 anos

:: DICAS - Regina Brett - 90 anos


Pra guardar na caixa de entrada, ler de vez em quando e focar em alguns itens como o 4, 16, 20, 25, 31, 34, 41....

ESCRITO POR REGINA BRETT, 90 ANOS, CLEAVELAND, OHIO.

"Para celebrar o envelhecer, uma vez eu escrevi 45 lições que a vida me ensinou. É a coluna mais requisitada que eu já escrevi.

Meu taxímetro chegou aos 90 em agosto, então, aqui está a coluna, mais uma vez:

1. A vida não é justa, mas ainda é boa.
2. Quando estiver em dúvida, apenas dê o próximo pequeno passo.
3. A vida é muito curta para perdermos tempo odiando alguém.

4. Seu trabalho não vai cuidar de você quando você adoecer.
Seus amigos e seus pais vão. Mantenha contato.


5. Pague suas faturas de cartão de crédito todo mês.
6. Você não tem que vencer todo argumento. Concorde para discordar.
7. Chore com alguém. É mais curador do que chorar sozinho.
8. Está tudo bem em ficar bravo com Deus. Ele agüenta.
9. Poupe para a aposentadoria, começando com seu primeiro salário.
10. Quando se trata de chocolate, resistência é em vão.
11. Sele a paz com seu passado, para que ele não estrague seu presente.
12. Está tudo bem em seus filhos te verem chorar.
13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem idéia do que se trata a jornada deles.
14. Se um relacionamento tem que ser um segredo, você não deveria estar nele.
15 Tudo pode mudar num piscar de olhos; mas não se preocupe, Deus nunca pisca.

16. Respire bem fundo. Isso acalma a mente.


17. Se desfaça de tudo que não é útil, bonito e prazeroso.
18. O que não te mata, realmente te torna mais forte.
19. Nunca é tarde demais para se ter uma infância feliz. Mas a segunda só depende de você e mais ninguém.

20. Quando se trata de ir atrás do que você ama na vida, não aceite "não" como resposta.


21. Acenda velas, coloque os lençóis bonitos, use a lingerie elegante. Não guarde para uma ocasião especial. Hoje é especial.
22. Se prepare bastante; depois, se deixe levar pela maré...
23. Seja excêntrico agora, não espere ficar velho para usar roxo.
24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.

25. Ninguém é responsável pela sua felicidade, além de você.


26. Encare cada "chamado" desastre com essas palavras: Em cinco anos, vai importar?
27. Sempre escolha a vida.
28. Perdoe tudo de todos.
29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.
30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo.

31. Indepedentemente de a situação ser boa ou ruim, irá mudar.


32. Não se leve tão a sério. Ninguém mais leva...
33. Acredite em milagres.

34. Deus te ama por causa de quem Ele é, não pelo que vc fez ou deixou de fazer.

35. Não faça auditoria de sua vida. Apareça e faça o melhor dela agora.
36. Envelhecer é melhor do que morrer jovem.
37. Seus filhos só têm uma infância.
38. Tudo o que realmente importa, no final, é que você amou.
39. Vá para a rua todo dia. Milagres estão esperando em todos os lugares.

40. Se todos jogássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos os de todo mundo, pegaríamos os nossos de volta.

41. Inveja é perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa.


42. O melhor está por vir.
43. Não importa como vc se sinta, levante, se vista e apareça.
44. Produza.
45. A vida não vem embrulhada em um laço, mas ainda é um presente "

ENVIE ESSA LIÇÃO PARA SEUS AMIGOS.

Somos todos ateus?,






14 de outubro de 2009. |

Somos todos ateus?,


por
Geovani Werner Tramontin*


Recentemente, em razão de discordâncias sobre alguns sacrifícios praticados por seguidores de uma determinada seita religiosa, debrucei-me sobre alguns livros e fiquei com uma inquietação: seríamos todos ateus?

É que, como sabemos, das várias religiões existentes, as maiores são o cristianismo, o islamismo e o judaísmo. Evidentemente que cada uma delas possui a sua verdade sobre um Deus que conhece e defende. Aliás, é bom que se diga, discordam entre si sobre princípios e ensinamentos advindos da mesma origem, como por exemplo, o Alcorão, onde muçulmanos sunitas e xiitas digladiam-se apesar de professarem a mesma fé no profeta Maomé, dependendo do ortodoxismo. Com o cristianismo não é diferente, pois apesar de beberem na mesma fonte, que é a Bíblia, desde a Santa Inquisição repelem-se e matam-se mutuamente em nome do Senhor.

Isso sem contar aqueles que confundem seus filhos sobre a bondade, e sua origem, e religiosidade, como se a virtude fosse pressuposto da crença em algum Deus (no seu Deus), ou apenas inerente àqueles que nele acreditam, incutindo-lhes, por exemplo, a ideia de que o dízimo ou o sacrifício de um sábado os levará à vida eterna, sem passar a real ideia de solidariedade, da bondade e do desprendimento na ajuda ao semelhante.

Do aprendizado, percebi que, como somos resultados do meio e principalmente da educação recebida, hipoteticamente, todos vamos para o Céu, pois ninguém tem culpa de ser o que é. Até o livre arbítrio é influenciável.

Em verdade, aquele que acredita no “Deus Cristo” é ateu em relação ao “Deus Maomé” e também ao Messias dos Judeus, que acreditam apenas em parte da Bíblia. O curioso nisso tudo é que a origem principal dessas religiões fundamentalistas é a mesma, pois sequer estamos tratando de outras dezenas de Deuses não muito conhecidos.

Mais curioso ainda é que cada um dos sectários bate no peito afirmando que a sua religião é que é a correta, ressaltando que os aproximados 1,4 bilhão de muçulmanos, por exemplo, não terão lugar no céu, mesmo sabendo que muitos deles sequer ouviram falar em outro Deus, e eles possuem a mesma ideia em relação às demais religiões, ou seja, que os cristãos é que estão nas trevas e um dia alcançarão a “verdade”, que é a islamita. Isso sem falar, como afirmamos, de tantas outras crenças, a exemplo de budistas que, como é sabido, antecedem ao cristianismo.


Aprendi que tudo é uma questão de fé, pois cada um segue sua crença com a liberdade religiosa que a lei assegura. É livre acreditar que a onipresença do “Salvador” protege a todos, não obstante não existir uma explicação razoável para o número de crianças que morrem ou são abusadas sexualmente todos os dias no mundo, sem contar as constantes catástrofes que dizimam milhares de pessoas.

Conforta a alma afirmar que Deus sabe o que faz, pois é a origem de tudo. Qual dos Deuses?

*Promotor de Justiça e mestrando pela Univali
Fonte:
http://www.clicrbs.com.br/anoticia/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&source=a2684102.xml&template=4187.dwt&edition=13318§ion=882

ÁGUA E ENVELHECIMENTO - IMPORTANTE


ÁGUA E ENVELHECIMENTO - IMPORTANTE

IMPORTANTE PARA TODAS AS IDADES
(Para você e para seus familiares e amigos)

Sempre que dou aula de Clínica Médica a estudantes do quarto ano de
Medicina, lanço a pergunta:
- "Quais as causas que mais fazem o vovô ou a vovó terem confusão mental?"
Alguns arriscam: "Tumor na cabeça:".Eu digo: "Não".Outros apostam:
"Mal de Alzheimer". Respondo, novamente: "Não".
A cada negativa a turma espanta-se.

E fica ainda mais boquiaberta quando enumero os três responsáveis
mais comuns:(1) diabetes descontrolado;(2) infecção urinária; (3)
desidratação.
Parece brincadeira, mas não é. Constantemente vovô e vovó, sem
sentir sede, deixam de tomar líquidos. Quando falta gente em casa para
lembrá-los, desidratam se com rapidez. A desidratação tende a ser
grave e afeta todo o organismo. Pode causar confusão mental abrupta,
queda de pressão arterial, aumento dos batimentos cardíacos
("batedeira"), angina (dor no peito).
Insisto: não é brincadeira.
Ao nascermos, 90% do nosso corpo é constituído de água.
Na adolescência, isso cai para 70%.
Na fase adulta, para 60%.

Na terceira idade, que começa aos 60 anos, temos pouco mais de 50% de água.
Isso faz parte do processo natural de envelhecimento.
Portanto, de saída, os idosos têm menor reserva hídrica. Mas há outro
complicador: mesmo desidratados, eles não sentem vontade de tomar
água, pois os seus mecanismos de equilíbrio interno não funcionam
muito bem.

Explico: nós temos sensores de água em várias partes do
organismo. São eles que verificam a adequação do nível. Quando ele
cai, aciona-se automaticamente um "alarme". Pouca água significa menor
quantidade de sangue, de oxigênio e de sais minerais em nossas
artérias e veias. Por isso, o corpo "pede" água.

A informação é
passada ao cérebro, a gente sente sede e sai em busca de líquidos.
Nos idosos, porém, esses mecanismos são menos eficientes.

A
detecção de falta de água corporal e a percepção da sede ficam
prejudicadas. Alguns, ainda, devido a certas doenças, como a dolorosa
artrose, evitam movimentar-se até para ir tomar água.
Conclusão: idosos desidratam-se facilmente não apenas porque
possuem reserva hídrica menor, mas também porque percebem menos a
falta de água em seu corpo. Além disso, para a desidratação ser grave,
eles não precisam de grandes perdas, como diarréias, vômitos ou
exposição intensa ao sol. Basta o dia estar quente ou a umidade do ar
baixar muito - como tem sido comum nos últimos meses. Nessas
situações, perde-se mais água pela respiração e pelo suor.. Se não
houver reposição adequada, é desidratação na certa. Mesmo que o
idoso seja saudável, fica prejudicado o desempenho das reações
químicas e funções de todo o seu organismo.
Por isso, aqui vão dois alertas.

O primeiro é para vovós e vovôs:
tornem voluntário o hábito de
beber líquidos. Bebam toda vez que houver uma oportunidade.


Por
líquidoentenda-se água, sucos, chás, água-de-coco, leite. Sopa,
gelatina e frutas ricas em água, como melão, melancia, abacaxi,
laranja e tangerina, também funcionam. O importante é, a cada duas
horas, botar algum líquido para dentro. Lembrem-se disso!
Meu segundo alerta é para os familiares: ofereçam constantemente
líquidos aos idosos. Lembrem-lhes de que isso é
vital. Ao mesmo tempo, fiquem atentos.

Ao perceberem que estão
rejeitando líquidos e, de um dia para o outro, ficam confusos,
irritadiços, fora do ar, atenção. É quase certo que esses sintomas
sejam decorrentes de desidratação. Líquido neles e rápido para um
serviço médico.

Arnaldo Lichtenstein (46), médico, é clínico-geral do Hospital das
Clínicas e professor colaborador do Departamento de Clínica Médica da
Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).